*- Guerreiro


Guerreiro Treme Terra de Alagoas - Maceió-AL (Brasil)

Guerreiro Treme Terra de Alagoas – Maceió-AL (Brasil)

          Pelas semelhanças, o auto Guerreiro (s) é considerado irmão do Reisado, primo da Chegança, dos Cabocolinhos, do Quilombo do Pastoril. do Bumba-meu-boi. Além disso, sofre influencias, do Xangô, das Baianas, dos Índios da montanha, do Toré de Índio e da Taieira. Há uma pequena diversidade do “irmão”, o maior número de figurantes e episódios, trajes mais ricos e cantigas mais belas. É através do sincretismo religioso, que canta a chegada do Messias, e a saudação dos Três Reis Magos.

    De caráter dramático, profano e religioso, o auto do Guerreiros (s) é genuinamente Alagoano, tendo surgido no citado Estado, no início da década de 1920. Na realidade, é um dos mais característicos e importantes folguedos populares do Ciclo Natalino Alagoano, cuja data de apresentação se dá entre 24 de dezembro (Véspera de Natal) e 6 de janeiro (Dia de Reis).

Guerreiro Treme Terra - Maceió-AL (Brasil)

Guerreiro Treme Terra de Alagoas – Maceió-AL (Brasil)

     O Guerreiro Treme Terra de Alagoas é comandado pelo Mestre BENON. Sem dúvida um grupo dos mais respeitados do gênero. É o elo entre o povo e suas crenças, uma expressiva arte da cultura Alagoana, reunindo dança e música. Um ritmo frenético e forte, um espetáculo bem quente. Na verdade – “o local do evento pega fogo mesmo, quando se trata do Guerreiro (s) do Mestre BENON”.

        O pai da Antropologia Brasileira ARTHUR RAMOS chegou a afirma que os elementos formadores do Guerreiro (s) seriam os Congos e Caboclinhos, autos europeus peninsulares, totêmicas de origem africana e ameríndia, e, como elemento dominante, o Bumba-Meu-Boi.

      O auto é uma seqüência de músicas poli-rítmicas, em formas binárias, ternárias, e quaternárias, esse é o tempo do andamento, ou seja, representam marchas e valsas. A harmonia funcional é bem simples e se dá através da sanfona. O mestre entoa a melodia e as figuras respondem em coro. O Grupo intercala intervenções instrumentais, como vinhetas de passagem entre um episódio e o próximo. Durante as embaixadas (pausas), o mestre e as outras figuras do guerreiro representam seus personagens em versos falados. Com certeza é música, dança, poesia e teatro, tudo junto!

       Os vestuários são confeccionados com espelhos, fitas, lantejoulas, miçangas, areia brilhante, cetins, contas de aljôfar (tipo de pérola) e muitas cores. As mulheres, de acordo com seus personagens, usam vestidos com acessórios e os homens calções e meões brancos bem longos, roupas semelhantes as dos nobres e reis da corte. Enfeites de árvore de Natal são utilizados nos chapéus, diademas ou coroas, nos guarda-peitos, calções e mantos, numa imitação dos antigos trajes nobres do Brasil Colônia.

      O folguedo apresenta um grupo de cantores e dançadores, cujos personagens executam seus trabalhos (dança e canto) usando a seguinte formação:

             Na dianteira, em dois cordões em fila, um ao lado do outro, ficam os dois Embaixadores, a Estrela de Ouro e a Estrela Brilhante, a Borboleta, a Sereia e demais figuras. Entre os dois cordões vêm o Mestre (comanda usando espada, apito, chapéu em formato de igreja e fitas de cetim multicoloridas), o Contra-Mestre, o Rei, as Rainhas (podendo ser em nº de três: Rainha dos Guerreiros, dos Caboclos e de Nação), a Lira, o Índio Peri e seus vassalos, o General, os Caboclinhos, e, lá na parte inferior, os dois Mateus (caras encarvoadas) e os dois Palhaços (faces pintadas de branco e vermelho). O sanfoneiro e os tocadores de tambor, pandeiro e ganzá, vestidos à paisana, completam o cortejo, puxando os ranchos e marchas de rua características do folguedo, como os Pedidos de Abrição de Porta ou de Sede; as peças de Entrada de Sala ou de Sede; a Louvação ao Divino; peças sobre assuntos amorosos, elogios; entremeios como os do Sapo, do Doido, do Javali, do Messias, do Boi e do Mata-Mosquito. No folguedo são empregados ainda: O Papa-Figo, a Alma, o Zabelê, a Estrela Dalva, a Banda da Lua, a Estrela Republicana, e as figuras, como nos Reisados.

          No auto do Guerreiro (s), o que existe de mais característico, na realidade, são as chamas partes, episódios (originados no Caboclinho e no Pastoril), inexistente no Reisado. No entanto, as das Estrelas, da Borboleta, da Sereia, da Banda da Lua, são mais curtas e simples, sendo cantadas e dançadas pelas respectivas personagens ou figuras, no centro ou entre os dois cordões:

        As partes do Índio Peri, são maiores e mais complexas, com várias cantigas, danças e diálogos. Peri se baseia na prisão de um guerreiro inimigo (o índio), que tenta entrar no arraial dos Guerreiros. Há diversas embaixadas entre os vassalos do índio e os dos Guerreiros. Após uma grande luta do índio (duelando com espada), ocorre seu aprisionamento sob as espadas dos Guerreiros. Mas ao final, o índio é solto e dança entre os seus antigos inimigos, concluindo assim sua apresentação ou parte.

        As partes da Lira (corruptela de Lília), idêntica a de Peri (maiores, complexas, com várias cantigas, danças e diálogos), ela uma famosa personagem de antiga canção portuguesa muito decantada pelos poetas brasileiros e portugueses no século XVII – é levada pelo Rei dos Guerreiros à aldeia, mas, por ordem da Rainha (ciúmes do Rei), ela é ameaçada de morte pelo Caboclinho. Em meio à ameaça, o Caboclinho propõe à Lira livrá-la da morte, caso ela o aceite como marido. Diante da recusa, o Caboclinho a mata, porém, a Lira é ressuscitada por Mateus, que incorporando um “feiticeiro” lhe administra um medicamento popular. Após a apresentação da Lira, todo o grupo deixa o local com um canto de despedidas.

Guerreiro Treme Terra de Alagoas - Mestre Benon - Maceió-AL (Brasil)

Mestre Benom – Guerreiro Treme Terra de Alagoas

       Há mais de 50 anos atuando no folclore alagoano, Mestre BENON é um exemplo de um homem do povo orgulhoso de si mesmo e de suas realizações, de sua arte, do seu Guerreiro Treme Terra de Alagoas. – “Mestre BENON, o rei do folclore Alagoano”.

      O BENON também comanda e toca sanfona no Trio Mordido do Poico (Forró). E ainda complementa sua renda com a confecção de pequenos chapéus de Guerreiro e enfeites, cujo material é exportado para vários países (Estados Unidos, Japão e Europa).

            Mestre BENON e vários integrantes do seu Guerreiro, os quais tratam o tratam com grande admiração e respeito, vivem no Centro Comunitário Hélio Porto Lages, Bairro da Chã do Bebedouro – Maceió/AL, onde se tem uma bela vista da Capital Alagoana e da Lagoa Mundaú.

Mestre Benon - Guerreiro Treme Terra de Alagoas

Palavras do Mestre Benon

Anúncios

PARTICIPE: Sua opinião é importante, portanto, deixe seu comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

Portal do Judô

Notícias gaúcha para o mundo

Instituto do Negro de Alagoas - INEG/AL

Promovendo a População Negra do Estado de Alagoas!

ÍCONES DE PORTUGAL

Património de Portugal

a amazónia, os índios e eu: notícias & outras correspondências

"aqui eu, Malinche, conto o que ouvi contar"

Saccpa

Just another WordPress.com site

Minas em Pauta - Saúde e Ação Social

Just another WordPress.com weblog

Blog Afrocensos2010

Somos tod@s afrodescendentes - Somos tod@s afrodescendientes

UTI Neo

Cuidados em UTI Neonatal

REFRISATBlog - Chillers e Controle Térmico

O blog da maior empresa de Controle Térmico da América Latina

ALGARVEPRESSNAHORA

Mais um site WordPress.com

OIPOL

Organização Internacional de Policiais

Arnaldo V. Carvalho

Idéias, filosofia, humanismo, agenda, saúde, terapias, meu mundo.

VIAJAR NAS PALAVRAS

Escolas | João de Araújo Correia / Blogue da Biblioteca da Escola Secundária - Peso da Régua

jornais em português

jornais de acesso livre em língua portuguesa

BF Noticias

Just another WordPress.com site

quando a cidade era mais gentil

foto e memória de São Paulo

%d blogueiros gostam disto: